Porque aprender inglês deveria ser sua meta número um em 2018



Segundo uma pesquisa desenvolvida em 2017 pela Catho com cerca de 13 mil profissionais, colaboradores com cargo de coordenação que falam inglês chegam a ganhar até 61% a mais do que aqueles que só dominam o básico do idioma. Já a diferença nos cargos de gerente, diretor e presidente chega a 56%. Leia a pesquisa completa.


Isso só evidencia o que todos podemos notar na prática que é a deficiência de profissionais com nível de inglês suficiente para conduzir reuniões, escrever e-mails e se comunicarem minimamente no idioma. No Brasil, somente 40% dos líderes empresariais dominam o inglês fluentemente, triste realidade.


Existem algumas tristes realidades sobre o aprendizado de uma língua estrangeira dos adultos que a maioria insiste em ignorar:

  • O aprendizado de um idioma estrangeiro não é possível em 18 meses

Alguns cursos de inglês em meados dos anos dois mil lançaram cursos de 18 meses para adultos com a promessa milagrosa de fluência total do idioma em tão pouco tempo. Nessa época, o foi tão grande que tantos outros cursos lançaram essa mesma “moda”. Não deu outra: em pouco tempo diversos cursos quebraram e tantos outras fecharam suas turmas nesse modelo.

A verdade é que a velocidade de aprendizado tem a ver com diversos fatores sendo o principal deles o tempo dedicado ao estudo e à prática.Não é à toa que os alunos de inglês como segunda língua, ou seja, aqueles que moram em países cuja a língua falada no dia a dia é o inglês, desenvolvem a fluência em muito menos tempo. Até um intercâmbio de um mês pode valer muito a pena, pois a prática diária 24 horas por dia é insubstituível quando falamos de aprendizado de línguas.

Diversos modismos em relação ao aprendizado de inglês já enganaram centenas de alunos. Quem não lembra do curso de inglês que ensinava subliminarmente enquanto dormíamos? Portanto, não caia nessa cilada de aprender inglês da noite para o dia. Nosso cérebro precisa de um tempo mínimo para assimilar uma língua verdadeiramente e isso é inexorável.

  • Pausar os estudos significa perder o investimento anterior

A vida adulta leva os alunos a interromperem os estudos do inglês com mais frequência do que deveriam. Problemas em geral fazem com que o adulto dê aquela pausa e ele se ilude achando que em alguns meses ele vai retornar e partir de onde parou. Isso não acontece. Até os primeiros 2 anos de estudo com 2 horas de aula por semana, a grande maioria dos alunos que pausam por 6 meses ou mais não retornam ao mesmo ponto em que largaram os estudos. Na minha experiência como professora e coordenadora, nivelando centenas de alunos, nunca vi isso acontecer. Isso porque nosso cérebro esquece o que aprendemos quando ainda estamos no início da aprendizagem de uma língua. Precisamos de muita prática para que a língua realmente seja gravada em nossa memória de longo prazo. Leia mais.

  • Saber ler ou entender o que escuta não significa que você sabe o idioma

A leitura e a escuta são habilidades passivas e as mais fáceis de aprender. Quem não lembra de algumas palavras básicas, algumas estruturas e até o verb to be do colégio? Quem não consegue ler rapidamente um artigo em inglês da faculdade ou pós-graduação sobre um assunto familiar e não saber minimamente do que se trata? Isso infelizmente não significa que você sabe a língua. O que contam são as habilidades de escrita e fala, são essas que definem o seu grau de proficiência. No início do aprendizado de um idioma notamos um salto grande, uma evolução rápida que tende a estagnar quando atingimos aquela zona de conforto e nela nos apegamos. É nesse momento que muitas pessoas desistem do curso, dão desculpas para não continuar e sentem que não conseguem passar daquele ponto. Certa vez, uma amiga minha me contou que sempre chegava a esse ponto em todos os cursos que fazia e, percebendo isso, resolveu procurar o coordenador e pedir pelo amor de Deus para ele não deixar ela desistir, pois sempre que chegava no present perfect ela arrumava um jeito de sair. O fato é que não queremos falhar. Quanto maior é nosso medo de errar, de passar vergonha, maior é nossa vontade de desistir. Além disso, quando nossa melhora no idioma começa a desacelerar, nos desmotivamos quando não vemos tão nitidamente nossa evolução. Alunos avançados de inglês passam por esse mesmo problema, pois a evolução no idioma é bem menos perceptível uma vez que já estudaram todas as estruturas de gramática e estão em um momento de aprender vocabulário menos corriqueiro e de praticar tudo que estudaram a vida toda. Leia mais.

  • Turmas de adultos de cursos tradicionais são heterogêneas e geralmente decepcionam

Se você já chegou a estudar e praticar as estruturas básicas do inglês (present, past , future), mas não avançou nos estudos e ficou muito tempo parado, ou se você aprendeu o idioma no exterior e possui muita fluência apesar de cometer muitos erros ao falar, você certamente não se adaptará a nenhum curso tradicional de inglês. Certamente não haverá uma turma em que você se sinta 100% atendido ou bem nivelado. Geralmente alunos como você acham a turma muito fácil ou muito difícil. Isso acontece toda vez que há disparidade entre fluência (fluency) e precisão (accuracy). Fluência é ritmo fluido da fala/ escrita e precisão é se estamos falando/ escrevendo gramaticalmente certo ou errado. Quem aprendeu inglês no exterior sem fazer um curso onde a gramática normativa da língua é priorizada, geralmente comete diversos erros, muitos até fossilizam, ficando estagnados no discurso. Aqueles que aprenderam em curso, por outro lado, muitas vezes falam corretamente, mesmo sem fluência, gaguejando e hesitando, sabem todas as regras gramaticais e não querem repetir pontos já estudados.


Os cursos seguem um material único e padronizado, não conseguindo atender às peculiaridades de cada aluno. Alunos com mais dificuldade também se sentem incomodados com o ritmo das aulas que nem sempre consegue suprir suas necessidades. A verdade é que cada um tem seu tempo e a aula em grupo pode ser uma grande perda de tempo.

  • Aprender inglês após os 15 anos de idade é mais difícil

Isso é um fato, talvez o mais duro. Adiar o aprendizado é uma péssima ideia. A maioria dos estudiosos afirma que o tempo de exposição à língua e a idade que começamos a estudar afetam diretamente nossa proficiência. A idade não está somente ligada a fatores psicomotores e neurológicos, mas também a aspectos cognitivos, afetivos e linguísticos. O período crítico da aprendizagem de uma língua ocorre até o início da puberdade devido à plasticidade de nosso cérebro principalmente ao que se refere à pronúncia. Por outro lado, nem tudo está perdido para os adultos: estudos mostram que o adulto consegue aprender apesar da dificuldade uma vez que tem mais conhecimento de vida, maturidade e motivação. Já testemunhei a evolução de adultos que começaram do básico e conseguiram ir até o nível avançado. Geralmente a motivação do trabalho é o que impulsiona um adulto a não desistir desse sonho.


Diante de toda essa dura realidade, o ideal é você começar ou continuar a estudar o mais rápido possível. Escolha um horário e uma modalidade de curso que seja a mais conveniente para você e não pare por nada nesse mundo. É muito melhor estudar alguns meses de forma “capenga” do que parar, acredite. Problemas sempre surgirão, mas se você focar no seu objetivo, nada o deterá. Lembre da pesquisa estarrecedora sobre o inglês no nosso mercado de trabalho e o quão competitivo é o mundo corporativo, principalmente em momentos de crise como o atual.

Posts Em Destaque
Posts Recentes
Arquivo
Procurar por tags
Siga
  • Facebook Basic Square
  • Twitter Basic Square
  • Google+ Basic Square
Mapa do site
Posts recentes
  • Facebook_eclassroom
  • YouTube Icon eClassroom
  • LinkedIn Icon Erica Nogueira
  • Branca Ícone Instagram

© 2017 Site desenvolvido por Café com Jasper

  • YouTube Social  Icon
  • Facebook Social Icon
  • LinkedIn Social Icon
  • Instagram eclassroom